Milei falará na abertura do Congresso argentino, que chamou de ‘ninho de ratos’

O presidente da Argentina, Javier Milei, fará um discurso nesta sexta-feira (1º) na abertura das sessões ordinárias do Congresso, em meio a um clima social tenso marcado por greves e mobilizações e um aumento da inflação, da pobreza e da indigência.

“Ninho de ratos”, “criminosos”, “traidores”, “corruptos”, “símbolos de casta”: Milei não tem poupado adjetivos desse tipo para os legisladores diante dos quais falará em rede nacional.

“Eles precisam aceitar que as pessoas odeiam os políticos”, afirmou em declarações à imprensa. Além disso, em uma entrevista recente ao Financial Times, disse: “Não preciso do Congresso para salvar a economia”.

O consultor e analista político Raúl Timerman estimou que Milei “é e continuará sendo assim”.

“Isso o mantém bem posicionado em termos de opinião pública”, comentou à AFP, detalhando que Milei mantém uma imagem positiva para 50% do eleitorado, em comparação com os 55% que tinha ao assumir em 10 de dezembro.

Milei falará às 21h00 locais (mesmo horário de Brasília) em vez do meio-dia, como é a tradição, para coincidir com o horário de maior audiência televisiva e em meio a um forte esquema de segurança.

Enquanto isso, organizações sociais e políticas convocaram protestos ao cair da noite.

Desde o início da nova administração, a Argentina acumulou mais de 50% de inflação e um nível de pobreza que atinge mais da metade da população.

“Algo precisava ser feito”, “temos que aguentar”, “em algum momento vai melhorar”, dizem os eleitores que apoiam o presidente de extrema direita, explicou Timerman com base em estudos realizados pela consultoria que ele dirige, o Grupo de Opinião Pública.

Dez dias após sua posse, Milei emitiu um decreto presidencial (DNU) para modificar ou revogar mais de 300 normas, incluindo as leis de aluguéis, abastecimento e controles de preços.

Depois, tentou a aprovação no Congresso da “Lei Ómnibus”, com 664 artigos que buscavam mudanças estruturais, como a privatização de 41 empresas estatais, e outras normas mais curiosas, como exigir que juízes usem toga preta e um martelo.

Mas o projeto de lei não teve o sucesso que o governo esperava e o próprio Milei ordenou sua retirada.

Em resposta aos seus ajustes fiscais draconianos, as principais confederações de trabalhadores, junto com partidos políticos de oposição, realizaram uma greve nacional e várias greves setoriais.

Organizações sociais também protestam contra a suspensão do envio de alimentos pelo governo a milhares de refeitórios comunitários.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), que prevê uma contração econômica de 2,8% em 2024 para a Argentina, saudou as medidas adotadas pelo governo, mas recomendou que sejam calibradas para proteger os setores mais pobres.

 

Fonte: IstoÉ

Like
Cutir Amei Haha Wow Triste Bravo